BISC 2016: Qual a importância do voluntariado corporativo?

Realizado sem o recebimento de qualquer remuneração, o trabalho voluntário tem certo prestígio social para quem o realiza, por ter essencialmente a intenção de ajudar quem mais necessita, promovendo um mundo mais consciente e com justiça social.

Porém qual a importância dos programas de voluntariado dentro do setor privado?

Segundo pesquisa divulgada em 2017, realizada pela Union + Webster International, especializada em diagnósticos sobre marcas e hábitos de consumo, os brasileiros são os consumidores mais conscientes do mundo – 87% dos brasileiros pesquisados informam que preferem comprar produtos ou serviços de empresas com responsabilidade social reconhecida, superando a média mundial em 77%. Além disso, os consumidores brasileiros não se importam em pagar até 10% a mais pela mercadoria dessas organizações.

Uma das principais formas de promover e fortalecer a responsabilidade social dentro das empresas é por meio de um programa de voluntários. Anteriormente prestados, basicamente, por organizações sociais e religiosas, o cenário do voluntariado tem se modificado atualmente, com as corporações levando em consideração os benefícios dessa atuação.

De acordo com a pesquisa BISC 2016, ferramenta criada pela Comunitas para o acompanhamento anual dos investimentos sociais privados no Brasil, 94% das empresas – integrantes do grupo respondente – possuem pelo menos um programa formal de voluntariado e 88% delas avaliam que eles são bem ou muito bem-sucedidos.

Em 2015, o grupo destinou R$ 14,6 milhões para os programas de voluntariado, envolvendo 58.545 voluntários, ou seja, 10% de seus colaboradores. E 41% das empresas estipularam como meta ultrapassar esse número no próximo ano, chegando a atingir pelo menos 15% dos seus funcionários.

Além dos benefícios de valorização corporativa e dos impactos positivos para comunidades, a experiência de trabalho voluntário contribui para o que o colaborador aprimore a criatividade, a competência técnica, liderança, a capacidade de trabalhar em condições adversas, para melhorar o ambiente de trabalho e fortalecer os seus laços com a empresa. Tanto que 75% das empresas já estão buscando alinhar os programas de voluntariado aos negócios.

olar

Para o sucesso dos programas de voluntariado corporativo, o BISC destaca a importância da adoção das seguintes iniciativas: oferecer recursos da empresa para os projetos onde os colaboradores atuam voluntariamente; possuir um plano estratégico de divulgação permanente do programa de voluntariado; divulgar internamente as oportunidades de trabalhos voluntários; promover a formação de Comitês de Colaboradores para a gestão das atividades de voluntariado; e inserir o programa de voluntariado na estratégia geral da empresa.

 

Sobre o BISC

Como mencionado anteriormente, o Benchmarking do Investimento Social Corporativo é uma ferramenta criada pela Comunitas para o acompanhamento anual dos investimentos sociais privados no Brasil. Por meio de uma parceria abrangente e inovadora com o CECP e com a Exchange, consegue-se comparar esses investimentos com padrões internacionais. Com isso, é possível aferir a evolução dos compromissos sociais das empresas participantes, extrair a percepção dos gestores sobre a qualidade das aplicações, buscar novos temas para subsidiar a formulação de estratégias e melhorar a contribuição para o desenvolvimento do país.

Por meio de acesso on-line e indicadores de benchmarking, o BISC injeta maior assertividade na tomada de decisão para os líderes empresariais, além de facilitar as ações dos gestores dos programas de investimento social corporativo.

Em 2017, o BISC celebra 10 anos, sendo uma oportunidade ímpar de realizar uma retrospectiva dos caminhos percorridos pelas empresas, no campo social, na última década.

Confira as últimas edições do BISC, clicando aqui.

Tem interesse em conhecer a pesquisa BISC? Entre em contato conosco.

 

 

 

*Foto: divulgação